4/6/13

A grande virada de Lenin

João Quartim De Moraes
  • “Por que vocês o embalsamaram?”, perguntei ao operário comunista que me acompanhava. “Vocês fizeram dele uma múmia.” “Não acreditamos na imortalidade da alma”, respondeu.” Curzio Malaparte, Le bonhomme Lénine
Lenin ✆ Petrov Vodkin, 1934
Anel de ferro da ortodoxia?

O fato de não ter havido um “jovem Lenin” sugere forte continuidade em seus textos, tanto quanto em seus combates. Não há nele ruptura teórica comparável à que separa o jovem Marx do Marx da maturidade. Nem por isso devemos concluir que, em seus escritos e em sua ação, ele apenas aplicou a teoria de Marx e de Engels. Ao contrário, sustentamos que a fórmula marxismo-leninismo, independentemente da significação política que lhe foi atribuída para designar, a partir dos anos 1950, os partidos que romperam com a URSS para seguir a doutrina de Mao Zedong, parece-nos ter alcance teórico decisivo. Sem “Imperialismo, estágio superior do capitalismo”, a história mundial do século XX e do começo do XXI não seria compreensível. Ora, os conceitos fundamentais introduzidos por Lenin nessa obra fundamental, a começar pelo de imperialismo, não figuram nos textos dos fundadores. É indispensável, pois, analisar o significado da virada que ele imprimiu na teoria marxista.

Karl Marx en el Londres de hoy: “I told you so!” (Te lo dije)

Tumba de Karl Marx en Londres
Cementerio de Highgate
Una encuesta realizada por la BBC en 1999 en la que participaron personas de todo el mundo otorgó a Karl Marx el título de pensador del milenio. “Su nombre y su obra perdurarán durante muchos siglos”, predijo Federico Engels junto a su tumba en el cementerio de Highgate de Londres. En ese momento, la afirmación parecía exagerada, pero los hechos han demostrado que tenía mucha razón. Aquel 14 de marzo de 1883, apenas once personas acudieron al entierro de un Marx apátrida. Sobre su lápida, dos leyendas: "¡Proletarios de todos los países, uníos!", presente en la última línea del Manifiesto Comunista y la frase de la Tesis XI sobre Feuerbach (editada por Engels): "Los filósofos sólo han interpretado el mundo de distintos modos, pero de lo que se trata es de transformarlo".