14/11/13

Tópicos sobre epistemología | Buscando ‘o bom senso’ a través de Gramsci

Luiz Carlos Nascimento da Rosa  [2004] |  Este trabajo se desarrolla en el contexto de una aproximación externalista de la epistemología. Se busca reflexionar de forma unitaria categorías como: sentido común, filosofía, ideología, progreso, buen sentido, desde una reflexión sobre la Ciencia y sus procesos. Se toma como punto de partida el horizonte concreto de las prácticas pedagógicas en el campo de las Ciencias Naturales. Para demostrar nuestros objetivos usamos como fundamento teórico-filosófico el marxismo historicista implícito en el pensamiento de Gramsci.

Este trabalho, pela temática a ser abordada, não constitui-se em um exercício intelectual integralmente original. Seu conte ú do epistemológico traduz-se pelo fato de trazer para o âmbito do en si no das ciências naturais reflexões que pôr natureza es tão hegemonicamente no campo da
Filosofia e da Política. Pretendemos, apreender Ciência, sujeitos da prática social da ciência e a aprendizagem deste campo epistemológico submersos no complexo tecido das práticas sociais. Quando nos detemos numa leitura da história da ciência, verificamos que as últimas décadas do século XX e este início do século XXI es tão repletas de um conjunto imenso de saltos qualitativos nos processos de produção do conhecimento humano. Usando, como teoria guia para ler os processos da ciência, A Estruturadas Revoluções Científicas de Kuhn, podemos dizer que nos so tempo está marcado pôr verdade iras revoluções para digmáticas no conhecimento científico. Este contexto produtivo têm revolucionado as formas do ser humano com preender o mundo e sua posição no contexto deste mundo.

O problema gestado neste novo contexto Teórico/prático é que es tas no vas formas de fazer ciência, não têm conseguido atingir a grande maioria da população, ao contrário, tem-se estabelecido um gran de “fosso” entre ciência e vida cotidiana. Como a vida prática de homens e mulheres é circunscrita por uma riqueza imensa de aparatos tecnológicos, como produtos e produtores de ciência e, falta-lhes alfabetização científicas para decodifica-las, suas visões sobre a leitura desta realidade torna-se desprovida de crítica, bem pelo contrário, é eminentemente fetichizada.

Queremos pensar nas categorias conceituais produzidas pela ciência como instrumentos mediadores para uma interpretação e explicação da condição humana, sobre o mundo e suas posições nestas novas formas de mundo. Pensamos numa abordagem que contemple os aspectos históricos inerentes a ativida de científica, bem como os condicionantes externos, isto é, políticos e ideológicos que determinam a escolha do tipo de conhecimento que vai ser produzido pela comunidade de praticantes da ciência. Assimpro ce den do pensamos contribuir para consolidar uma prática pedagógica crítica na educação em ciências, bem como, possibilitar uma leitura desmitificadora da totalidade da realidade, tanto material quanto social.

Para isto elencamos algumas questões que nos parecem orientadoras para esta leitura do mundo da ciência e, norte a doras para a construção de princípios pedagógicos que se jammais coerentes com a História e os processos da ciência, isto é: Existe relação entre ciencia e vida cotidiana? Como utilizar esta reflexão no contexto pedagógico?




http://revistas.luz.edu.ve/